• Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Tumblr Social Icon
  • Instagram

por Lua Delpi

icone explosao.png

entre para a comunidade

digiclass

digi.girls

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Instagram

digi.girls

por Lua Delpi

icone explosao.png

digi.news

to watch

Marketing Digital, branding, negócios, empreendedorismo feminino, mindset e entretenimento para mulheres empreendedoras

  • Lua

5 Atitudes para defender a bandeira LGBTQIA+ no seu negócio todos os dias do ano

Você se sente perdida na hora de mostrar as bandeiras que você acredita no seu negócio?

Essa é uma das dúvidas mais frequentes entre empreendedoras que querem impactar o mundo com seus negócios.


Uma data importante é o dia do orgulho LGBTQIA+, comemorado em 28 de junho. É uma data em que a gente vê muito conteúdo de marcas sobre diversidade e inclusão. 🌈

Se você defende essa bandeira (o que por favor, vamos combinar que é mais que necessário, né?) é importante você comunicar isso. Afinal, o seu negócio é uma extensão de quem você é.


Mas como fazer de forma consciente, sem usar a data somente para aumentar a visibilidade do negócio?

Siga lendo e descubra!


Importância de defender a causa LGBTQIA+ no seu negócio


Cada vez mais as pessoas estão exigindo um posicionamento franco e verdadeiro das marcas. Não apenas no discurso, mas principalmente em atitude.

Os consumidores estão em busca constante por bandeiras com as quais se identificam profundamente, mas eles não querem apenas um post bonitinho no feed.


🌟 Você e o seu negócio são agentes de transformação, mesmo ao empreender sozinha.


Dar visibilidade a datas como a do orgulho LGBTQIA+ é importante, mas também existem ações que você pode colocar em prática todos os dias na sua empresa para gerar transformação e realmente fazer sua parte na luta pela diversidade e por um mundo sem preconceito.


5 Formas de defender a causa LGBTQIA+

Confira a seguir 5 formas de defender a causa LGBTQIA+ de forma genuína e não apenas em datas especiais:


1. Entenda que não adianta levantar a causa em datas especiais se você não defende ela na sua vida


Seu negócio é uma extensão de você e comunica aquilo que você acredita.

Bandeiras sociais não devem ser levantadas se o seu real objetivo for só chamar atenção.

Como empreendedora, você também precisa enxergar que o preconceito existe e que o seu negócio é agente de transformação.


2. Se questione sobre a diferença entre marketing e visibilidade


Bandeiras sociais não devem ser levantadas com o objetivo de se promover ou aumentar a visibilidade da sua marca em cima delas.

Essas causas precisam ser defendidas para dar visibilidade e voz a grupos que sofrem preconceito - nesse caso, pessoas LGBTQIA+.

Mais uma vez, primeiro apoie as causas na sua vida pessoal para só depois levar isso pro seu negócio.


3. Ao divulgar seu negócio, se pergunte: essa mensagem pode ofender ou excluir alguém?


Independente do que você vende, é necessário criar uma comunicação com a sua audiência.

Analise o que você fala de forma crítica, observe os termos e imagens que você usa e para quem você direciona a sua mensagem para ter uma comunicação mais inclusiva e diversa.

Você pode usar imagens nos seus conteúdos que fogem do padrão de pessoas brancas e casais heterossexuais.


4. Crie pequenas ações que permitem defender a causa todos os dias do ano


No seu negócio, uma forma de fazer isso é olhar para a sua esteira de produtos e serviços e se questionar se ela exclui alguém.


Comunicação inclusiva


A Pantys, marca de calcinhas absorventes, tem uma comunicação direcionada para "pessoas que menstruam", o que inclui também transexuais e de quebra torna o produto mais acessível.


Parcerias e collabs durante o ano todo


Faça parcerias e collabs com influenciadores LGBTQIA+ fora do mês de junho e defenda a causa independente da data.


A Márcia Gattai, Digi.Member e dona da loja plus size @fofurapimenta, fez parceria com o influenciador @caiorevela, gordo & queer, para divulgar suas roupas.


Produtos apresentados de forma neutra em lojas


Esse é mais um exemplo importante quando falamos de fluidez de gênero, ou seja, pessoas que não se identificam com um gênero.


Se você tem loja física, ou até mesmo nas categorias do seu ecommerce, que tal disponibilizar seus produtos de forma neutralizada, sem a famosa separação do que é feminino e masculino?


5. Faça a sua parte


Como empreendedora e consumidora, exercite seu olhar crítico sobre outros negócios e como eles impactam o mundo.


Comece a questionar essas marcas que não defendem diversidade e bandeiras que você e o seu negócio acreditam para que elas percebam o impacto e responsabilidade.


Com essas atitudes práticas, você vai defender a causa de forma genuína, contribuir para um mundo com mais diversidade e ainda se conectar com muitas pessoas que também acreditam nisso. 🧡